TV digital, com Ginga, terá crescimento similar ao dos smartphones no Brasil

TV digital, com Ginga, terá crescimento similar ao dos smartphones no Brasil

Convergência Digital – Cobertura Especial RioInfo 2012
:: Ana Paula Lobo – 04/09/2012
Se a projeção feita pelo governo de alcançar a marca de 54 milhões de TVs com Ginga em 2016 vier a se confirmar, o crescimento da base será similar ao previsto para os smartphones e a TV será, sim, uma plataforma para a oferta de serviços públicos gratuitos para o cidadão brasileiro.

Sobre o futuro do Ginga, o middleware de interatividade nacional, especialistas garantem: é hora de os engenheiros saírem de cena e entrarem os produtos de conteúdo. As constatações foram feitas durante a mesa redonda “Ginga finalmente chega ao mercado de conteúdos digitais. Ainda há tempo para este mercado se firmar ou é tarde demais?”, realizada nesta terça-feira, 04/09, na 10º edição do Rio Info.

Participaram do debate, Luiz Fernando Soares, da PUC/Rio, Mauro Garcia, da ABPI-TV , David Britto, da Totvs e Hildebrando Trannin, da Batuque, uma empresa desenvolvedora de aplicações com Ginga. Atualmente, segundo dados fornecidos no evento, há 3,5 milhões de TVs com o selo DTVi, o que significa com o middleware embutido, mas não é possível quantificar quantos, de fato, utilizam a tecnologia.

“Esse número é como um segredo de Fátima”, lamenta David Britto, da Totvs. Segundo ele, a ‘agenda negativa’ dos fabricantes prejudicou muito. “O Ginga ainda é visto como uma pedra no sapato dos fabricantes”, acrescentou. E a crítica não vai apenas para os fabricantes de TVs. Também é válida para os fabricantes de celulares. “Há uma resistência forte à adoção, mas isso vai mudar quando a política pública for mais incisiva”, salienta o professor da PUC/Rio, Luiz Fernando Soares.

A massificação do uso do Ginga – além do incremento na base de aparelhos incorporando o middleware – está diretamente ligada à expansão da infraestrutura de Internet no Brasil. Só assim, a interatividade vai ganhar força e musculatura. “A Internet é fundamental para tirar proveito do Ginga e o Brasil precisa unir os esforços da massificação da banda larga e da TV digital. A interatividade será crescente quando mais gente tiver conexões melhores “, sustentou Britto, da Totvs.

Além do item conexão, há um outro ponto decisivo para a massificação do Ginga: a produção de conteúdo. “Os radiodifusores estão muito atrasados na produção desse conteúdo para aproveitarem o Ginga. Mas, nós, produtores, também estamos e precisamos acelerar essa agenda”, admitiu Mauro Garcia, diretor-executivo da ABPI-TV (Associação Brasileira de Produtores Independentes de TV).

O professor da PUC/Rio de Janeiro, Luiz Fernando Soares, foi mais longe ao falar sobre o tema. Segundo ele, já é hora de os engenheiros saírem da produção de aplicativos e deixarem essa parte para quem, de fato, sabe fazer essa função: os produtores de conteúdo. “Falta criatividade para os engenheiros. Os aplicativos são bem chatinhos, feios. Falta algo mais. Na verdade, falta criatividade”, assumiu.

Extraído de convergenciadigital