TV digital, com Ginga, terá crescimento similar ao dos smartphones no Brasil

TV digital, com Ginga, terá crescimento similar ao dos smartphones no Brasil

Convergência Digital – Cobertura Especial RioInfo 2012
:: Ana Paula Lobo – 04/09/2012
Se a projeção feita pelo governo de alcançar a marca de 54 milhões de TVs com Ginga em 2016 vier a se confirmar, o crescimento da base será similar ao previsto para os smartphones e a TV será, sim, uma plataforma para a oferta de serviços públicos gratuitos para o cidadão brasileiro.

Sobre o futuro do Ginga, o middleware de interatividade nacional, especialistas garantem: é hora de os engenheiros saírem de cena e entrarem os produtos de conteúdo. As constatações foram feitas durante a mesa redonda “Ginga finalmente chega ao mercado de conteúdos digitais. Ainda há tempo para este mercado se firmar ou é tarde demais?”, realizada nesta terça-feira, 04/09, na 10º edição do Rio Info.

Participaram do debate, Luiz Fernando Soares, da PUC/Rio, Mauro Garcia, da ABPI-TV , David Britto, da Totvs e Hildebrando Trannin, da Batuque, uma empresa desenvolvedora de aplicações com Ginga. Atualmente, segundo dados fornecidos no evento, há 3,5 milhões de TVs com o selo DTVi, o que significa com o middleware embutido, mas não é possível quantificar quantos, de fato, utilizam a tecnologia.

“Esse número é como um segredo de Fátima”, lamenta David Britto, da Totvs. Segundo ele, a ‘agenda negativa’ dos fabricantes prejudicou muito. “O Ginga ainda é visto como uma pedra no sapato dos fabricantes”, acrescentou. E a crítica não vai apenas para os fabricantes de TVs. Também é válida para os fabricantes de celulares. “Há uma resistência forte à adoção, mas isso vai mudar quando a política pública for mais incisiva”, salienta o professor da PUC/Rio, Luiz Fernando Soares.

A massificação do uso do Ginga – além do incremento na base de aparelhos incorporando o middleware – está diretamente ligada à expansão da infraestrutura de Internet no Brasil. Só assim, a interatividade vai ganhar força e musculatura. “A Internet é fundamental para tirar proveito do Ginga e o Brasil precisa unir os esforços da massificação da banda larga e da TV digital. A interatividade será crescente quando mais gente tiver conexões melhores “, sustentou Britto, da Totvs.

Além do item conexão, há um outro ponto decisivo para a massificação do Ginga: a produção de conteúdo. “Os radiodifusores estão muito atrasados na produção desse conteúdo para aproveitarem o Ginga. Mas, nós, produtores, também estamos e precisamos acelerar essa agenda”, admitiu Mauro Garcia, diretor-executivo da ABPI-TV (Associação Brasileira de Produtores Independentes de TV).

O professor da PUC/Rio de Janeiro, Luiz Fernando Soares, foi mais longe ao falar sobre o tema. Segundo ele, já é hora de os engenheiros saírem da produção de aplicativos e deixarem essa parte para quem, de fato, sabe fazer essa função: os produtores de conteúdo. “Falta criatividade para os engenheiros. Os aplicativos são bem chatinhos, feios. Falta algo mais. Na verdade, falta criatividade”, assumiu.

Extraído de convergenciadigital

Anúncios

Palestra Java, Aplicações e Mercado de Trabalho

Vários alunos me pediram os slides apresentados e por isso vou disponibilizar aqui o pdf dos slides da palestra de tema: Palestra Java, Aplicações e Mercado de Trabalho.

Falamos sobre ERPs e módulos do ERP, java, exemplos de empresas que utilizam java, funcionamento do java, comparação com linguagens convencionais, bytecode, hotspot, JavaSE, JavaEE, JavaME, JavaCard, JavaFX, IDEs Java, Popularidade das linguagens ao longo do tempo, algumas aplicações como Ginga, Android, SmartPen, Orion/TNT,  Bancos de Dados, Mercado de trabalho, Importância do Inglês e apresentamos material audio visual sobre a tecnologia java e a caneta smartpen.

Se tiverem sugestões ou dúvidas, entrem em contato.

TV digital define interatividade como meta para 2010

Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital acredita que recurso esteja disponível no mercado nacional ainda no primeiro semestre.

No dia 2 de dezembro de 2007 a TV digital estreava no Brasil envolta em expectativas e promessas. Exatos dois anos depois, o sistema colecionou alguns avanços no mercado brasileiro, mas ainda precisa vencer inúmeros desafios até que esteja plenamente disseminado  no País.

Dados do Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital apontam que cerca de dois milhões de receptores de sinal de TV digital foram comercializados no País. A área coberta pela tecnologia chega a 26 cidades, que englobam uma população de 60 milhões.

Ampliar a área de cobertura é um dos objetivos do setor em 2010. Tão ou mais importante que isso, no entanto, é possibilitar o uso da interatividade e desfazer equívocos relacionados à TV digital, segundo a coordenadora do módulo de promoção do Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital, Liliana Nakonechnyj.

Interatividade

No primeiro caso, Liliana afirma é possível haver novidades em poucos meses. “A expectativa é de que o recurso da interatividade esteja disponível no primeiro semestre de 2010”, afirma. Embora ainda não haja um prazo definido, o Fórum trabalha no momento na definição das funcionalidades que serão embutidas no Ginga, o software da interatividade. De acordo com esse plano, haverá dois perfis para a interatividade.

Um deles será equipado com recursos básicos e  será destinado ao consumidor de menor poder aquisitivo. O outro, dotado de uma tecnologia mais avançada, terá preço mais elevado. “Esse trabalho está em andamento. Esperamos concluir a definição dos perfis até dezembro”, diz Liliana.

Equívocos

Se a questão da interatividade é o grande passo a ser dado em 2010, facilitar a compreensão do que realmente é a TV digital é outra meta a ser alcançada. “Dois anos depois do lançamento do sistema, ainda há muitos mitos relacionados à TV digital”, afirma Liliana.

Uma deles é o de que é necessário pagar uma mensalidade para ter acesso à tecnologia. “Muitas pessoas não sabem que podem ter acesso ao sinal de alta qualidade sem ter de pagar uma mensalidade. Pensam que funciona como a TV por assinatura”, afirma.

É por essas e outras razões que o Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital veiculará no início do ano que vem uma nova campanha, que será veiculada na mídia de massa.   As peças publicitárias mostrarão como funciona o sistema e destacará seus benefícios.

Extraido de idgnow