Improve your English – If you have an apple


“If you have an apple and I have an apple and we exchange apples then you and I will still each have one apple. But if you have an idea and I have an idea and we exchange these ideas, then each of us will have two ideas.”

George Bernard Shaw (1856 – 1950) – Irish dramatist – Nobel Prize of Literature, 1925

Anúncios

Métodos com parâmetros em Java

Segue o exemplo usado em aula para exemplificar o uso de método com parâmetros em java.

Até a próxima.

Um pouco de Marketing Pessoal

As vezes os profissionais são focados somente nas suas habilidades técnicas e esquecem da sua habilidade pessoal sendo este um fato muito importante para todos os profissionais e futuros profissionais de informática. Já conheci muitos bons profissionais que fizeram seus currículos pobres por inexperiência ou nas entrevistas tinham seu desempenho insatisfatório por que se esqueciam frequentemente do seu marketing pessoal. O artigo abaixo da infojobs trata muito bem o assunto e deve ser levado em consideração para você construir o seu.

Marketing pessoal

Por que, muitas vezes, ótimos funcionários não conseguem ser promovidos e melhorar seus cargos dentro das empresas? Eles estão fazendo tudo certo, mas esquecem de algo muito importante, o marketing pessoal.

O que é o Marketing pessoal? O marketing pessoal é tentar evidenciar as nossas capacidades e conhecimentos para nos promovermos: precisamos demonstrar o nosso valor, nossos diferenciais, para que a empresa confie na nossa capacidade de gerar resultados positivos.

É importante lembrar que o uso do marketing pessoal deve estar embasado nos conhecimentos e realizações que darão o suporte necessário para que esta conquista seja segura, tentar se destacar ou querer ter visibilidade quando não se está preparado para responder com consistência pode ser até prejudicial para a sua carreira profissional.

Quais são as ferramentas para começar um trabalho de marketing pessoal?

Confiança: acreditar em suas idéias e agir sempre buscando melhores resultados para a empresa é talvez uma das chaves para que sua atuação possa se destacar. Defender o próprio trabalho e o da sua equipe faz com que as pessoas ao redor percebam um ambiente seguro e confiem na empresa e em suas habilidades.

Determinação: buscar os objetivos que lhe foram definidos com garra e tentando evitar possíveis obstáculos para chegar ao melhor resultado possível.

Paciência: saber esperar o momento certo para cada coisa.

Disciplina: realizar as próprias tarefas com ordem e entregá-las no tempo esperado são sinais de um bom desempenho no trabalho.

Comunicação: se empenhar para manter uma boa comunicação com os gestores e os companheiros de trabalho sempre é o primeiro passo para evoluir na nossa carreira. Quem se comunica positivamente é bem visto e melhor aceito.

Atitudes positivas: ter atitudes positivas, de ajuda e companheirismo, assim como otimismo em relação ao próprio trabalho é valorizado e considerado na maioria das empresas.

Forma de apresentação: devemos nos vestir para o cargo que desejamos ter, nossa apresentação é nosso cartão de visita.

Pro – atividade: sugerir melhorias no ambiente de trabalho. Um colaborador que oferece soluções, já vestiu a camisa da empresa.

As empresas de hoje analisam muito mais do que a experiência profissional para promover os seus funcionários; analise seu comportamento frente às situações e aos desafios, reforce seu marketing pessoal, saiba demonstrar os diferenciais que possui e alavanque sua carreira!

Fonte: infojobs

Até a próxima.

Profissões de informática podem ser regulamentadas

Tramita no Senado um projeto de lei para regulamentar as profissões de analista de sistemas e de técnico de informática. A proposta, elaborada em 2007, obteve aprovação das comissões de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e agora aguarda decisão da Comissão de Assistência Social (CAS). O projeto ainda será encaminhado para votação na Câmara dos Deputados.

De acordo com o PL 607/07, a profissão de analista de sistemas seria exercida por pessoas com diploma de ensino superior em análise de sistemas, ciência da computação, processamento de dados ou engenharia de software. Também estão incluídos os profissionais com experiência comprovada na área por pelo menos cinco anos.

Aos analistas de sistemas, segundo o texto, recairia a responsabilidade técnica por projetos e sistemas para processamento de dados, informática e automação, além da emissão de laudos, relatórios e pareceres.

Já a profissão de técnico de informática seria exercida por pessoas com curso técnico em informática ou em programação de computadores (em nível de ensino médio ou equivalente) que tenham experiência comprovada na área de pelo menos quatro anos.

Para ambas as categorias, a carga horária proposta é de 40 horas semanais, sendo que compensações e redução da jornada poderiam ser feitas por meio de acordos coletivos de trabalho. Para os profissionais com esforço repetitivo, a jornada, segundo o texto, cairia para 20 horas semanais com máximo de cinco horas diárias. As informações são da Agência Senado.

Fonte: tiinside

Alguns números referentes a oportunidades de emprego Java

Confirmando o que dizemos em aula que oportunidades no mercado de Java está muito bom, um grande amigo, Alexandre, da empresa que trabalhei, TNT,  publicou no linkedin uma rápida pesquisa que fez em sites que oferecem empregos em tecnologia Java. Números bem expressivos por sinal:

Catho Online: 868 vagas
Manager: 796 vagas
Netcarreiras: 1265 vagas
Curriculum: 186 vagas
Apinfo: 1331 vagas
Ceviu: 1390 vagas

Veja mais na mensagem original no linkedin.

Bom final de semana.

10 razões para sua empresa largar o Windows e abraçar o Linux

O fim do suporte a versões antigas do Windows pode ser uma boa oportunidade para considerar a migração para o sistema que, além de livre, é grátis.

Agora é uma hora particularmente boa para largar o Windows, tanto nas estações de trabalho como em servidores. Um exemplo: agora que a Microsoft parou de oferecer suporte para versões mais antigas do Windows em 13 de julho, você vai precisar de algo diferente para usar em seus servidores.  Esteja você mudando do Windows Server 2003 para o 2008 ou para um servidor Linux – ou trocando o cansado Windows Vista dos desktops pelo alienígena Windows 7 ou algo mais amigável – o Linux lhe dá liberdade e, principalmente, liberdade de escolha.

Você pode acreditar que deixar o Windows e migrar para o Linux é algo difícil, mas a mudança no modo de pensar e a percepção dessa mudança são o que há de mais difícil. Se você já tentou atualizar o Windows XP para o Windows 7, então sabe o que é dor.

Os empresários descobriram que o Linux, que uma dia já foi um sistema operacional de “nicho”, fornece os componentes e os serviços necessários nos quais muitos se apoiam. O Linux continua sua penetração nos maiores data centers do mundo e em centenas de milhares de desktops individuais, e domina quase 100% da indústria de serviços para a nuvem. Por tudo isso, vale a pena dedicar algum tempo para descobrir o Linux e usá-lo em sua empresa. Aqui estão dez razões para que você dê uma segunda olhada no Linux.

1::Suporte comercial
No passado, as empresas usavam a ausência de suporte comercial como a principal razão para agarrarem-se ao Windows. As “três grandes” provedoras de Linux comercial – Red Hat, Novell e Canonical – puseram esse medo a nocaute. Cada uma dessas empresas oferece suporte 24x7x365 para suas aplicações de missão crítica e serviços de negócio.

2::Suporte a .NET
As empresas que padronizaram seu desenvolvimento com tecnologia Microsoft, especificamente com sua tecnologia web .NET, podem confiar no Linux para obter suporte às mesmas aplicações .NET. A Novell é a dona e apoia o projeto Mono, que oferece compatibilidade com .NET. Um dos objetivos do projeto Mono é oferecer às empresas a capacidade de escolha e de resistir à imposição de um único fornecedor. Além disso, o projeto Mono oferece plugins Visual Studio para que os desenvolvedores .NET possam transferir facilmente aplicações .NET baseadas em Windows sem mudar suas ferramentas de desenvolvimento familiares. Por que a Novell e outras empresas iriam querer criar um ambiente .NET para Linux? Para a estabilidade real de aplicações .NET, o Linux é uma escolha melhor que o Windows.

3::Disponibilidade online
A estabilidade do Linux oferece aos donos de empresas a paz de espírito de que suas aplicações não sofrerão panes muito longas causadas por instabilidade do sistema operacional. O Linux oferece os mesmos níveis de disponibilidade (geralmente medidos em anos) que seus primos Unix. Esta estabilidade significa que o Linux pode suportar as exigências de serviços “99,999% disponíveis”. Reboots após cada correção de software, Service Packs e alterações de drivers fazem do Windows uma escolha instável e não confiável para aqueles que precisam suporte ininterrupto para suas aplicações e serviços críticos.

4::Segurança
Nenhum sistema operacional é 100% seguro – e o Linux não é exceção. Mas o Linux oferece segurança excelente a seus usuários. Das atualizações regulares do kernel a uma lista quase diária de atualizações de segurança, os mantenedores do código mantêm os sistemas Linux bastante seguros. Os donos de empresas que se apoiam em sistemas Linux com suporte comercial terão acesso a todas as correções de segurança disponíveis. Com Linux, você tem uma comunidade mundial de provedores de correções de segurança, e não uma única empresa com código fonte fechado. Você está completamente dependente da resposta de uma só empresa para lhe fornecer correções de segurança quando usa Windows.

5::Aproveitamento de habilidades
Uma barreira à adoção do Linux foi a ideia que ele não é tanto como o Unix, e por conta disso os administradores deste último não poderiam usar com sucesso seus conhecimentos ao fazer a mudança para o Linux. O layout do sistema de arquivos do Linux parece como qualquer outra versão comercial do Unix. O Linux também usa um conjunto padrão de comandos Unix. Há alguns comandos Linux que não se aplicam ao Unix, mas isso também ocorre entre as diversas versões do Unix.

Os administradores Windows podem descobrir que o uso de um teclado em vez de um mouse é uma parte difícil da transição, mas uma vez que eles descubram o poder da linha de comando, eles nunca mais irão querer dar cliques. Não se preocupe com aqueles que não largam uma interface gráfica: o Linux tem diversos gerenciadores de desktops para escolher – e não apenas um.

6::Hardware de mercado
Os empresários vão gostar do fato de que seus sistemas “ultrapassados” ainda rodarão Linux – e bem. Felizmente para quem adota o Linux, não há aquela loucura de atualização de hardware que segue toda nova versão do software recém-lançado. O Linux roda em x86 com arquiteturas de 32 e 64 bits. Se seu sistema roda Windows, ele rodará Linux.

7::Linux é grátis
Você pode ter ouvido que o Linux é grátis (free, em inglês). O Linux não custa nada, e também é livre no sentido que também é livre de patentes e de outras restrições que impediriam empreendedores mais criativos de editar e melhorar o código fonte. Essa habilidade de inovar com Linux tem ajudado a criar empresas como a Google, que aproveitaram essa oportunidade e a converteram em grandes negócios. O Linux é grátis e livre, no sentido de liberdade.

8::Comunidade mundial
O Linux tem o apoio de uma comunidade global de desenvolvedores que contribuem com o código fonte, atualizações de segurança e melhorias no sistema. Esta comunidade ativa também fornece às empresas o suporte gratuito por meio de fóruns e sites. Esta comunidade dispersa pelo mundo dá paz de espírito aos usuários de Linux, porque não há um ponto único de falha nem uma fonte única para suporte e desenvolvimento Linux.

9::Linux Foundation
A Linux Foundation é um coletivo corporativo de patrocinadores Platinum (Fujitsu, Hitachi, HP, IBM, Intel, NEC, Novell e Oracle) e membros que, por meio de doações e contribuições associativas, patrocinam Linus Torvalds e outros que trabalham em tempo integral no Linux. Seu propósito é “promover, proteger e padronizar o Linux para abastecer seu crescimento pelo mundo”. É a fonte primária para todas as coisas Linux. A Linux Foundation é uma grande adição aos usuários e entusiastas do Linux porque sua existência assegura o desenvolvimento contínuo do sistema.

10::Atualizações regulares
Você está cansado de esperar por um Service Pack do Windows a cada 18 meses? Cansado das dificuldades de atualizar seus sistemas Windows de tempos em tempos porque não há uma rota clara de upgrade? O Ubuntu Linux oferece versões novas e melhoradas a cada seis meses e versões de suporte de longo prazo a cada dois anos. Toda distribuição Linux oferece atualizações regulares de seus pacotes e fontes diversas vezes por ano e atualizações de segurança sempre que necessárias. Você pode deixar qualquer angústia de upgrade para sua cópia oficial licenciada do Windows porque é fácil atualizar o Linux e migrar de uma versão para outra, mais nova. A melhor parte: o Linux não exige reboot.

Se você quiser dar uma olhada no Linux, aqui estão diversas distribuições que podem ser baixadas gratuitamente. Seu uso também não exige qualquer contrato de suporte comercial.

CentOS – distribuição livre do Red Hat Enterprise Linux

Ubuntu – distribuição livre corporativa (suporte comercial disponível)

Fedora – O Projeto Fedora é a versão livre e suportada pela comunidade do Red Hat Linux.

OpenSUSE – A versão livre e suportada pela comunidade do SUSE Linux da Novell.

Debian – A distribuição-pai de muitas distribuições Linux, incluindo Ubuntu e Linux Mint.

Você pode encontrar informação sobre a migração do Windows para Linux por meio da Linux Foundation ou de quaisquer de seus patrocinadores Platinum. Quando se trata de aumentar sua eficiência, economizar dinheiro e oferecer serviços ininterruptos para seu negócio e seus clientes, de quantas razões você precisa?

 

Extraido de idgnow!

10 razões para as empresas considerarem os softwares de código livre

Com a crise financeira, as vantagens do software livre ficaram mais evidentes e a opção deve ser bem analisada.

Com tantas empresas e órgãos governamentais aumentando o uso de softwares open source, como o Linux, fica cada vez mais claro que o preço não é a única vantagem. Se fosse, as empresas que adotaram ferramentas abertas durante o pior da recessão já teriam retornado para soluções proprietárias agora que a economia está melhor. E esse não é o caso.

Os negócios que se viram empurrados para ferramentas de código livre após sofrerem com restrições de orçamento logo identificaram outras vantagens, observadas na lista a seguir.

1 – Segurança
É difícil pensar em um argumento melhor do que a superioridade das ferramentas de código aberto em termos de segurança. Recentemente, descobriu-se uma brecha no kernel do Android que poderia trazer riscos. Mas a única razão pela qual a falha foi descoberta é porque o código é aberto ao público.

Essa, aliás, é a filosofia de Linus Torvalds, criador do Linux: quanto mais olhos, mais as chances dos bugs serem identificados antes de causar incômodo. E é um argumento bem oposto à segurança pela obscuridade, usado por algum dos fabricantes de softwares proprietários caros como argumento para a estrutura fechada. Mas a falta de notificações de falhas de segurança no sistema do iPhone e do iPad ou no Windows significam que esses sistemas são mais seguros? A história prova que não.

2 – Qualidade
O que é melhor? Um software empacotado por um grupo pequeno de profissionais ou um software em criação constante por milhares de desenvolvedores? Assim como há milhares zelando pela segurança do código aberto, muitos outros estão pensando o tempo todo em inovar e melhorar os recursos.

O que isso significa? O código aberto também é feito por usuários, o que o torna mais próximo do que os usuários querem. E isso já foi provadio em estudos recentes, que demonstraram que a suposta superioridade é a razão principal pela qual empresas escolhem o código aberto.

3 – Personalização
Ter um software que pode ser alterado e customizado de acordo com o gosto da empresa, sem precisar esperar avanços por parte do fabricante, é também uma das maiores vantagens. Um desenvolvedor competente adiciona funcionalidades como quem altera palavras em um texto do Word.

4 – Liberdade
Quando os negócios se voltam ao código aberto, as empresas ficam livres da ameaça de ser aprisionada dentro de pacotes proprietários engessados. Clientes de fornecedores como esses ficam a mercê da visão, requisitos, preços, prioridades e limites impostos pelo fornecedor. E tudo isso com uma conta no final do mês ou do ano.

5 – Flexibilidade
Quando a empresa usa softwares como Windows ou Office, entra em um ciclo no qual precisa atualizar software e hardware infinitamente. O código livre, por outro lado, usa muito menos recursos da máquina e pode ser rodado até mesmo em hardwares mais lentos. A empresa decide a hora de atualizar, não o fornecedor.

6 – Interoperabilidade
Software livre é muito melhor na aderência a padrões abertos e até mesmo a ferramentas proprietárias. Se a interoperabilidade for necessária com outras empresas, computadores e usuários, a vida fica muito mais fácil com o código aberto.

7 – Auditoria
Com o sistema fechado, você só tem a palavra do vendedor para provar que o software é de fato seguro e aderente a padrões. O código aberto oferece visibilidade para o cliente, que pode ter mais certeza sobre o que está rodando em casa.

8 – Opções de suporte
Software de código aberto possui comunidades com extensas documentações, fóruns de discussões, listas, wikis, grupos de notícias e, dependendo de quem fornece a distribuição, até mesmo suporte ao vivo via chat gratuito.
Para os negócios que querem melhoria, há muitas opções pagas de suporte com preços bem menores do que os fornecedores proprietários cobram. Os fornecedores de suporte para ferramentas abertas costumam dar respostas melhores e mais rápidas, pois têm sua receita focada nesse serviço.

9 – Custo
O custo de comprar uma solução proprietária é muito difícil de ser medido, pois tem a proteção por vírus obrigatória, taxas de suporte, despesas de atualização e ainda o preço a ser pago por ser aprisionado em alguma solução. No final, o custo é muito maior do que a companhia imaginava inicialmente.

10 – É possível experimentar antes de usar
Se você está considerando usar o software de código aberto, não custará nada realizar testes de qualidade antes de usá-lo. Em parte porque é gratuito mesmo. E em parte porque o código aberto oferece muito mais opções para quem quiser testar, como a possibilidade de criar Live CDs para Linux, por exemplo.

Conclusão
Mesmo com todos esses argumentos, só a própria empresa será capaz de realizar uma análise profunda para verificar se o software livre é uma boa opção. Além disso, pode ser que o código aberto não seja a solução para todas as necessidades da empresa. Mas, diante de todos os benefícios, é necessário ao menos considerá-lo entre as opções.

Extraido de idgnow!